Celebra-se hoje, 18 de Julho, o 87º aniversário de Nelson Mandela. Dedicou a sua vida à luta contra o regime racista da África do Sul e, nos últimos anos, contra a pobreza, a Sida e a guerra.
Celebra-se hoje, 18 de Julho, o 87º aniversário de Nelson Mandela. Dedicou a sua vida à luta contra o regime racista da África do Sul e, nos últimos anos, contra a pobreza, a Sida e a guerra. Uma figura cada vez mais frágil, mas que projecta a sua voz cada vez mais alto. De acordo com oficiais da sua fundação, ao contrário de outros anos em que o Nobel da Paz era visto com estrelas de cinema, membros da realeza e crianças adoráveis, este ano as celebrações apontam ao legado político deste grande homem.
Membros e funcionários da Fundação Nelson Mandela querem que as celebrações de hoje, 18 de Julho, marquem o seu aniversário assegurando que as suas lições de respeito humano e dignidade permanecem.
“O maior perigo é que o seu legado seja entendido em termos puramente mecânicos ou políticos, despido da sua humanidade”, disse Mac Maharaj, antigo ministro dos transportes que passou 12 anos como prisioneiro político. “Mandela tem os seus pontos fortes e fraquezas como todos nós, mas precisamos entender o seu auto controlo, para ver o que precisa ser feito, e fazê-lo”.
Mandela é o herói anti-apartheid, tornando-se em 1994 o primeiro presidente negro do país. No princípio do ano passado anunciou oficialmente que se retirava da vida pública. aparece em público apoiado numa bengala ou no braço de um assistente, mas passa longos períodos de tempo em casa com a sua família, incluindo a sua terceira mulher Graça Machel, viúva do antigo presidente de Moçambique, Samora Machel.
Mas o homem que conduziu a África do Sul do domí­nio branco a um democracia multir-racial, continua a ser um gigante no imaginário público. ainda hoje pode reunir dezenas de milhar de pessoas em apoio às suas mensagens em favor da luta contra a Sida, que matou o seu filho mais velho no início deste ano, e a pobreza. Também foi muito enfático na crí­tica à guerra do Iraque.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *