O arcebispo de Braga teme que as medidas anunciadas pelo governo sejam «desastrosas», principalmente para aqueles que já enfrentam dificuldades
O arcebispo de Braga teme que as medidas anunciadas pelo governo sejam «desastrosas», principalmente para aqueles que já enfrentam dificuldadesJorge Ortiga, arcebispo de Braga, demonstrou receio em relação às medidas anunciadas pelo governo para o corte da despesa pública, sobretudo, as que afetam os setores mais frágeis da sociedade. Tenho receio que estas medidas em determinado grupo de pessoas sejam verdadeiramente desastrosas, impedindo-as de terem o minimamente indispensável para viver, disse o prelado durante uma conferência de imprensa, que antecedeu o convívio com a comunicação social da arquidiocese, por ocasião do Dia Mundial das Comunicações Sociais.
Questionado sobre a atual situação social e política, Jorge Ortiga sublinhou que a Igreja não faz política mas não deixa de dar o seu contributo na construção de uma sociedade mais justa e fraterna, lê-se na edição desta sexta-feira, 10 de maio, do Diário do Minho. O prelado confessou que não gosta da palavra austeridade, mas referiu que durante algum tempo se irá continuar a um certo ritmo de algumas exigências. Costumo dizer que teremos de criar um estilo novo de mais sobriedade para poder partilhar, acrescentou.