No primeiro trimestre de 2013 a aMI registou um aumento dos pedidos de ajuda, comparativamente ao período homólogo de 2012. as solicitações à organização foram apresentadas por desempregados, mas também por pessoas com atividade profissional
No primeiro trimestre de 2013 a aMI registou um aumento dos pedidos de ajuda, comparativamente ao período homólogo de 2012. as solicitações à organização foram apresentadas por desempregados, mas também por pessoas com atividade profissionalHá cada vez mais pessoas a solicitar apoio social à assistência Médica Internacional (aMI), refere um comunicado do Departamento de Informação e Comunicação da organização não governamental (ONG) divulgado esta quinta-feira, 2 de maio. De acordo com a ONG, o primeiro trimestre de 2013 registou um aumento de 14,5 por cento nos pedidos de ajuda, comparativamente ao período homólogo de 2012, tendo recorrido ao apoio da aMI, 8. 890 pessoas.

Durante os primeiros três meses deste ano aumentou, não só o número de desempregados a solicitar apoio (mais 8,8 por cento), mas também pessoas com atividade profissional (mais 6,3 por cento que no primeiro trimestre de 2012). À organização portuguesa recorreramcidadãos com necessidades relacionadas com alojamento e ainda problemáticas de endividamento, rendas em atraso ou dificuldades em cumprir com o crédito à habitação.

a crise atual demonstra-nos a absoluta e urgente necessidade de uma maior solidariedade entre todos e de um novo paradigma de sociedade, sustentado na maior equidade na redistribuição da riqueza e numa maior justiça social, algo só possível de alcançar com valores humanistas, visão estratégica e sensibilidade, considera Fernando Nobre, presidente da aMI. No último ano, a assistência Médica Internacional atingiu o valor mais elevado de sempre tendo apoiado 15. 764 pessoas.