«Nós somos o povo do Senhor, e Ele é o nosso alimento», diz-nos o Salmo Responsorial
«Nós somos o povo do Senhor, e Ele é o nosso alimento», diz-nos o Salmo Responsorial a primeira leitura deste domingoé tirada dos atos dos apóstolos, livro que nos narra os acontecimentos sobre a pregação do Evangelho nos alvores do cristianismo. No trecho deste domingo, Paulo e Barnabé encontram-se na cidade de antioquia da Pisídia. Foram ao sábado à sinagoga e depois conversaram com vários indivíduos sobre a nova religião fundada por Jesus Cristo, o cristianismo. alguns aceitaram com alegria a nova maneira de se relacionarem com Deus. Mas houve também quem não só recusasse a pregação dos dois missionários de Cristo, mas a ela se opusesse ferozmente. Paulo e Barnabé proclamaram então: Era a vós que primeiro devia ser anunciada a palavra de Deus. Mas dado que a repelis e vos julgais indignos da vida eterna, vamos levá-la aos pagãos. assim na verdade nos mandou o Senhor: Estabeleci-te para seres a luz das nações, a fim de levares a salvação até aos confins da terra’. Tempos houve em que a Europa levou essa mensagem de salvação a várias outras partes do mundo. atualmente, graças à bondade do Senhor, gentes de outros continentes pregam essa palavra da salvação pelo mundo além. Tristemente, a Europa parece um continente cansado em várias áreas da vida humana: crises de diferentes tons materiais, morais e espirituais assolam o continente. Um exaurimento intelectual, psicológico, espiritual caracteriza sociedades sem número. a atividade enorme dos tempos passados definha. Muitos dos que tinham a obrigação de se unirem para encontrar soluções, revestem-se dum egoísmo soberbo, provocado, doentio mesmo, que nada mais admite que a própria sede de mandar. Em certos quadros internacionais já se pergunta mesmo se não seria necessária uma guerra para acalmar as tempestades. E esta situação faz sofrer, inutilmente, milhões e milhões de seres que o egoísmo dos desvairados tornou escravos da mentira. a solução só poderá ser encontrada se o homem aceitar que é um ser criado e não um Deus, que do seu Criador tem de ele tirar as ideias de verdade que levarão à paz dos corações. Enquanto o único padrão da medida da felicidade humana for o materialismo, e mesmo a alta riqueza financeira, a alma humana sossobrará no ridículo e carregará com muitos sofrimentos. No Salmo Responsorial encontramos a solução: Nós somos o povo do Senhor, Ele é o nosso alimento. O Senhor é Deus, a ele pertencemos, somos o seu povo, ovelhas do seu rebanho. Eterna é a sua misericórdia, a sua fidelidade dura para sempre. Ele próprio nos diz: Na angústia chamaste por mim, e eu salvei-te. ah, se o meu povo me escutasse! (Salmo 81, 8. 14). Se a nossa vida seja de Glória ao Deus que mora no Céu, a paz será dada na terra aos homens de boa vontade!