Os grandes centros urbanos estão revelar-se uma surpresa para a Igreja Católica, com o despertar de novas vocações sacerdotais. O presidente da Comissão Episcopal das Vocações e Ministérios encara esta mudança como um sinal do reencontro com a fé
Os grandes centros urbanos estão revelar-se uma surpresa para a Igreja Católica, com o despertar de novas vocações sacerdotais. O presidente da Comissão Episcopal das Vocações e Ministérios encara esta mudança como um sinal do reencontro com a fé Depois de alguns anos em crescimento, o número de jovens candidatos à consagração sacerdotal voltou a estabilizar em Portugal. E a carência de padres tem obrigado a importar padres estrangeiros, sobretudo de angola e do Brasil. Para contrariar esta tendência, a Igreja Católica inicia este domingo, 14 de abril, a Semana da Oração pelas Vocações, com atividades em todo o país. Há uma grande crise de fé e é preciso trabalhar muito para superá-la. É uma crise do encontro com Cristo, uma crise de convicções, uma crise de testemunho, sobretudo no Ocidente e na Europa, que está na origem da diminuição das vocações sacerdotais, admite Virgílio antunes, bispo de Coimbra e presidente da Comissão Episcopal das Vocações e Ministérios. Como a transmissão da fé se faz pelo testemunho, o prelado considera que a Igreja tem que ser cada vez mais aberta e partir ao encontro. Um encontro, de resto, incentivado pelo novo Sumo Pontífice, quando exortou os padres a saírem para as periferias e reforçarem a proximidade com o povo. O Papa Francisco está a criar na Igreja uma onda muito positiva, de muita confiança, e está a ser um estímulo muito grande para as populações mais juvenis. Espero que seja a origem de uma nova primavera vocacional, afirma Virgílio antunes. Onde já se está a verificar uma mudança em matéria de vocações é nos grandes centros urbanos. as pessoas estão a reencontrar-se, a procurar e a sentir uma sede maior da vivência da fé, talvez por sentirem uma certa saturação de um mundo que ofereceu muitas respostas que não foram suficientes para preencher o vazio que às vezes se gera dentro do coração, adianta o presidente da Comissão Episcopal das Vocações e Ministérios. Na mensagem para esta Semana das Vocações, feita ainda pelo anterior Papa, é lançado um apelo aos sacerdotes para que saibam estar ao lado dos jovens como companheiros de viagem’ e os ajudem no caminho por vezes tortuoso e obscuro da vida. Já aos mais novos é pedida coragem e uma opção firme pelos valores, num mundo recheado de propostas superficiais e efémeras. Não tenhais medo de seguir os Passos de Jesus e de percorrer os caminhos exigentes e corajosos da caridade e do compromisso generoso. Sereis felizes por servir, sereis testemunhas daquela alegria que o mundo não pode dar, sereis chamas vivas de um amor infinito e eterno, aprendereis a dar a razão da vossa esperança, escreveu Bento XVI.