Dez anos depois continuam a ser descobertas, identificadas e sepultadas centenas de vítimas do massacre de Srebrenica. Calcula-se que mais de oito mil homens muçulmanos perderam a vida.
Dez anos depois continuam a ser descobertas, identificadas e sepultadas centenas de vítimas do massacre de Srebrenica. Calcula-se que mais de oito mil homens muçulmanos perderam a vida.
Familiares choram sobre os caixões das vítimas do massacre de Srebrenica. Os corpos foram retirados de valas comuns e serão enterrados hoje, 11 de Julho, marcando o décimo aniversário da maior atrocidade cometida na Europa nos últimos 50 anos.
Mulheres com véus brancos davam largas à sua dor ao tocar os 610 caixões alinhados no cemitério. Estes contêm os últimos despojos encontrados em valas comuns onde as forças sérvias esconderam os oito mil homens muçulmanos que massacraram a 11 e 18 de Julho 1995. Estas 610 vítimas foram já identificadas.
Orações Islâmicas ecoam enquanto milhares caminham para o memorial, onde cruzes de madeira marcam as campas dos seus pais, maridos e filhos. Hajira Mujic, 36, veio enterrar o seu sogro, os despojos do seu esposo não foram identificados a tempo para poder ser enterrado hoje. Chorando, disse à agência Reuters: ” a nossa dor continua, cada anos vimos enterrar alguma pessoa. Estou farta”.
São esperadas umas 50 mil pessoas e 1. 500 polícias sérvios foram colocados para garantir segurança. Nos arredores do local foram encontradas duas bombas de grandes dimensões durante a semana passada.
O massacre, nos dois meses finais da guerra que durou 48 meses, tinha como objectivo assegurar que não houvesse muçulmanos para reclamar a terra ocupada pelas forças sérvias.
O comandante general Ratko Mladic e o “presidente” rebelde Radovan Karadzic, foram acusados de genocídio devido à atrocidade. Mas, para a raiva dos bósnios e o embaraço dos poderosos ocidentais que intervieram demasiado tarde para por termo à guerra que clamou 200 mil vidas, ambos continuam fugidos.
Os números apresentados pela Reuters falam por si sós.com estes são já cerca de 2000 campas no cemitério de Potocari. Há mais 7 mil bolsas com despojos parciais esperando análises de aDN. além disso, calculam-se umas 20 valas comuns para ser exumadas.
Mas as provas do massacre têm pouco impacto na linha dura Sérvia, a qual continua a insistir que as mortes são apenas um episódio duro da guerra, ou até um acto de vingança justificável. Outros há que negam a própria existência do massacre.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *