«Carvoeiras: duas realidades» é o tema de uma mesa redonda que terá lugar no Museu de arte Sacra e Etnologia, em Fátima. a iniciativa vai dar a conhecer duas experiências relativas à produção de carvão: uma na Costa do Marfim e outra em Portugal
«Carvoeiras: duas realidades» é o tema de uma mesa redonda que terá lugar no Museu de arte Sacra e Etnologia, em Fátima. a iniciativa vai dar a conhecer duas experiências relativas à produção de carvão: uma na Costa do Marfim e outra em PortugalO Museu de arte Sacra e Etnologia, em Fátima, promove esta sexta-feira, 5 de abril, às 21h30, uma mesa-redonda a partir do tema Carvoeiras: duas realidades. através deste debate, os participantes vão poder conhecer duas experiências relativas à produção de carvão vegetal: uma em San Pedro, na Costa do Marfim, e outra na Marinha Grande, em Portugal.
a iniciativa, de entrada livre, insere-se no âmbito da exposição Damas de carvão que está patente no mesmo espaço. através de fotografias, a mostra transporta os visitantes para San Pedro, exibindo o rosto, as tarefas árduas, o ambiente, os perigos, o cansaço e a nobreza de dezenas de mulheres que produzem carvão vegetal, com os desperdícios de uma serração, para mais tarde venderem.
Esta exposição fotográfica é o ponto de partida para o conhecimento de outra realidade, desta vez em Pilado, na Marinha Grande, local onde durante algumas décadas várias mulheres recorriam ao Pinhal de Leiria para obterem a matéria-prima para a produção de carvão.
Para esta mesa-redonda, foram convidados ana Paula Ribeiro, fotojornalista e autora das fotografias em exposição, Luís Maurício Guevara, sacerdote e missionário da Consolata que também visitou as carvoarias marfinenses, e Paula Lemos, docente e autora do estudo Vidas de carvão, que incide sobre a atividade das carvoarias da aldeia de Pilado. Gonçalo Cardoso, diretor do museu, será o moderador da mesa, informa um comunicado enviado à Fátima Missionária.