a Igreja necessita de renovação interior e exterior, tal como preconizou o Concílio Vaticano II. Muito tempo passou e agora é ainda mais urgente rever as relações da igreja com as outras religiões, seu lugar no mundo e a sua liturgia
a Igreja necessita de renovação interior e exterior, tal como preconizou o Concílio Vaticano II. Muito tempo passou e agora é ainda mais urgente rever as relações da igreja com as outras religiões, seu lugar no mundo e a sua liturgia a renúncia de Bento XVI é, no mínimo, histórica. Já foi referido por muitos entendidos e não será difícil aceitá-lo. O próprio Papa afirmou que a sua renúncia foi um ato livre de consciência, depois de meditar muito e sabendo da gravidade de sua decisão, lembrou o cardeal Julian Herranz, que investigou o Vatileaks, rebatendo dessa forma afirmações da imprensa que ligavam a saída do Papa devido a outros problemas, menos claros, no interior da Igreja. apesar disso, o cardeal Herranz foi dizendo que as sociedades da Europa e da américa estão sendo “hipócritas” ao criticar a Igreja, deixando de ver os seus próprios defeitos e preferindo acusar todos os sacerdotes de cometerem delitos sexuais e de serem corvos que se atacam uns aos outros. Contudo, essas afirmações deixam entender que o Papa se debatia com problemas graves dentro da própria igreja, dando alguma razão aos que pensam que a sua renúncia poderia ser consequência do cansaço e do reconhecimento de que a barca de Pedro (o papado) precisava de alguém com firmeza no leme diante de um mar com muita turbulência como refere o cardeal.

Será bom não esquecer que a missão do Papa na Igreja católica romana tem duas vertentes: a substantiva – que lhe advém da representação de Pedro – mas também a administrativa, soberano da Santa Sé e do Estado da Cidade do Vaticano, com todas as responsabilidades e direitos daí inerentes. Para o exercício dos poderes governamentais são nomeados cardeais (da Cúria) que asseguram todas as funções necessárias para que o Estado funcione enquanto tal. E aqui também podem surgir problemas como em qualquer outro estado laico. Se juntarmos a isso o facto de o papa ter 1. 168 milhões de seguidores (cristãos no mundo que o têm como guia), poderemos ter uma vaga ideia do que significará esse cargo em responsabilidade, mas também em poder. ao longo dos tempos sempre foram contestados os administradores do Estado do Vaticano, com ou sem razão, mas é uma realidade que confunde cristãos e não cristãos.

Em 14 de fevereiro passado, perante uma plateia de milhares de sacerdotes, Bento XVI, referindo-se ao Concílio da década de 60 afirmou que este não foi uma rutura revolucionária com o passado, como consideram os católicos liberais, mas uma renovação e o despertar para as melhores tradições da igreja antiga. O Papa destacou ainda que a mensagem passada pela comunicação social foi uma interpretação distorcida das reuniões da Igreja na época e do qual resultaram muitas calamidades, tantos problemas e vários tormentos. Seminários e conventos fecharam, a liturgia foi banalizada. Contudo, Bento XVI deixou uma mensagem de esperança quando disse: Nossa função neste ano da Fé é trabalhar para que o verdadeiro concílio, com a força do Espírito Santo, seja realmente compreendido e que a Igreja seja realmente renovada.

No seu último angelus, antes de deixar o pontificado a 28 de fevereiro, Bento XVI explicou estar a seguir os desígnios de Deus, fazendo questão de deixar claro que não se retira da Igreja católica romana, apesar da sua histórica abdicação. O Senhor está a chamar-me para subir a montanha, para dedicar-me ainda mais à oração e à meditação. Mas isso não significa abandonar a Igreja. Se Deus me pede isso, é precisamente porque posso continuar a servi-la com a mesma dedicação e o amor que tenho demonstrado até agora, afirmou o Pontífice.com Bento XVI já retirado, prepara-se o conclave que irá eleger o novo Papa. Sobre ele, o cardeal Herranz opinou que a renovação na Igreja é importante. Ele acredita, porém, que essa escolha não será feita com base numa personalidade, cor ou origem. Temos de ter alguém com profunda espiritualidade e que saiba transmitir isso ao mundo, declarou. Que o Espírito Santo ilumine o colégio cardinalício, são os nossos votos.