a 23º peregrinação a Fátima da família Missionária da Consolata, no dia do seu fundador, o beato José allamano, marca sempre um momento festivo para o Santuário de Fátima
a 23º peregrinação a Fátima da família Missionária da Consolata, no dia do seu fundador, o beato José allamano, marca sempre um momento festivo para o Santuário de FátimaNão se trata apenas de questão de boa vizinhança, devida à presença dos Missionários da Consolata na Cova da Iria, à sua colaboração com o Santuário ou às iniciativas para a difusão da mensagem de Fátima que levam a cabo. Trata-se mais fundamentalmente de um testemunho missionário que nos desperta para a identidade da própria Igreja e da sua missão. Em ano da Fé, o tema da peregrinação – Feliz quem acredita – convida a tomarmos consciência da fé como fonte de alegria e felicidade, mas também a contemplar Maria, proclamada feliz porque acreditou (cf. Lc 1, 45), como modelo dos crentes e amparo da fé dos cristãos. Por um lado, Maria ocupa um lugar muito especial na vivência do ano da Fé: desafia-nos a deixarmo-nos conduzir por ela até Deus, de tal modo que a nossa fé se torne mais consciente e a possamos confessar, celebrar, viver e rezar com maior profundidade. Ela foi a mulher crente por excelência, tornando-se no modelo incontornável da vivência da fé. Esta exemplaridade de Maria faz dela nossa mestra: aquela que, pelo seu exemplo, nos ensina a percorrer o caminho da configuração com Cristo e nos ensina a comunicá-lo aos outros. O Papa Bento XVI, na Exortação apostólica Pós-Sinodal Verbum Domini, apresentava Maria como Mãe da fé precisamente como corolário do capítulo dedicado à resposta do homem a Deus que fala. E a fé é fundamentalmente resposta do homem a Deus que Se nos revela e nos fala. ao mesmo tempo, Maria é a Mãe que sustenta a fé dos seus filhos. Ela, que reina gloriosa no Céu, atua misteriosamente na terra, pela sua intercessão materna. Por isso, já desde tempos antigos, Nossa Senhora é invocada pelo povo cristão como amparo da fé. Ela é, pois, guia segura na vivência deste ano da Fé. Nas suas aparições, em Fátima, Maria foi mestra de fé para os pequenos videntes e continua a sê-lo para nós hoje. Faço votos de que esta peregrinação da Família Missionária da Consolata ajude todos os peregrinos a aprofundar a sua fé e a testemunhar a felicidade de acreditar. *Reitor do Santuário de Fátima