a Fundação ajuda a Igreja que Sofre vai apresentar um livro sobre cristãos «sujeitos a tortura» na China. a obra é uma «denúncia fortí­ssima» da existência de campos onde estão «dissidentes do regime e fiéis de diversas confissões religiosas»
a Fundação ajuda a Igreja que Sofre vai apresentar um livro sobre cristãos «sujeitos a tortura» na China. a obra é uma «denúncia fortí­ssima» da existência de campos onde estão «dissidentes do regime e fiéis de diversas confissões religiosas» a perseguição dos Católicos na China – O cordeiro e o dragão, é o título de um livro que será apresentado domingo, 27 de janeiro, na Igreja Matriz de Nossa Senhora da Conceição, no Seixal, pelas 16h00. a obra, da autoria da Laogai Research Foundation Itália, é uma denúncia fortíssima da existência, ainda hoje, de campos onde estão presos de delito comum mas também dissidentes do regime e fiéis de diversas confissões religiosas, informa o departamento de informação da Fundação ajuda a Igreja que Sofre, organização promotora da iniciativa.

De acordo com o mesmo documento, estes campos de concentração, albergarão, atualmente, entre três a cinco milhões de pessoas, sendo que o assunto é considerado segredo de Estado. No livro pode ler-se que, nestas prisões, cerca de mil, disfarçadas de fábricas, onde se pratica regularmente a tortura, depois de dezasseis horas de trabalhos forçados, os prisioneiros são sujeitos a lavagens ao cérebro a fim de, uma vez reeducados’, confessarem crimes inexistentes e aceitarem para o resto dos seus dias uma vida de dor e de castigos merecidos.
a sessão de lançamento do livro será complementada com uma conferência sobre liberdade religiosa, que terá como oradores Carlos Filipe Silva, pároco da Quinta do anjo, e Catarina Martins, diretora da Fundação aIS em Portugal. a iniciativa está inserida no calendário da Semana Paroquial da Fé da comunidade católica do Seixal, que iniciou dia 18 de janeiro, e que se prolonga até dia 27.