«as vossas palavras, Senhor, são Espírito e vida, os vossos preceitos são luz para os meus olhos», diz-nos o salmo responsorial de domingo
«as vossas palavras, Senhor, são Espírito e vida, os vossos preceitos são luz para os meus olhos», diz-nos o salmo responsorial de domingoO povo da Roménia sofreu muito com os governos comunistas que naquele país se implantaram a partir de 1945. Em 1964, o governo libertou da prisão vários chefes religiosos e políticos. Entre eles encontrava-se um tal senhor Ricardo Wurmbrand, que passara três dos seus anos de prisioneiro num pequeno quarto, isolado de todos. No seu livro Torturado por amor a Cristo, diz-nos ele que um dia chegou à cadeia um novo prisioneiro chamado avram. a parte superior do seu corpo estava toda envolvida em gesso por causa de torturas recebidas. Quando os guardas sairam, avram tirou de debaixo do gesso do peito um livrito esfarrapado por tanto uso. Nenhum dos outros prisioneiros tinha visto um livro desde há muito tempo. O livrito de avram era o Evangelho segundo São João. Desde esse dia, tanto avram como os outros prisioneiros, devoravam as páginas desse livrito como se fossem salva-vidas, passando-o continuamente de mão em mão. Segundo a primeira leitura de domingo, 27 de janeiro, depois do povo de Israel perder contacto com Deus, Esdras encontra o Livro da Lei do Senhor e lê-o durante uma manhã ao povo reunido para a ocasião. Todos choravam, e ao fim adoraram o Senhor. Neemias disse ao povo: Não vos aflijais porque a alegria do Senhor é a vossa força (Neemias 8, 1-12). E no Evangelho deste domingo, o próprio Jesus, Verbo de Deus encarnado, na sinagoga de Nazaré faz a leitura tirada do Profeta Isaías: O Espírito do Senhor está sobre mim, porque ele me ungiu. Enviou-me a anunciar a Boa Nova aos pobres, a proclamar a libertação aos cativos e a vista aos cegos, a mandar em liberdade os oprimidos (Isaías 61,1-2). Fechando o livro, Jesus passou o olhar pelos presentes e disse: Cumpriu-se agora mesmo aqui diante de vós este passo da Escritura que acabais de ouvir (Lucas 4, 21). a Palavra de Deus! É verdade que, muitas vezes, as coisas melhores da nossa vida só as compreendemos bem quando as perdemos – mormente o amor. a Bíblia, diz-nos São Gregório, é uma carta de amor que Deus mandou ao seu povo, carta esta em que podemos sentir bater o Seu coração. Por vezes, ao ouvirmos a Palavra de Deus, ficamos como que encalhados, e nada nos diz essa palavra. Reagimos com emoção, raiva, alegria, entusiasmo, às muitas palavras com que os media nos invadem, ao lacrimejar duma novela, mas diante da Boa Nova por excelência por vezes entupimos. E isto porque o discurso da nossa inteligência e do nosso amor param no momento do fim da leitura. Mas a Palavra de Deus deve começar a concretizar-se imediatamente depois de a lermos. Poderíamos, nesses momentos, em silêncio, recordar e aplicar a nós próprios as palavras de Deus, por exemplo: Eis-me aqui, Senhor! Venho fazer a vossa vontade; Eis aqui a serva do Senhor, faça-se em mim segundo a vossa palavra; Meu Senhor e meu Deus; Enviai, Senhor o vosso Espírito, e será renovada a face da terra; Senhor, eu creio, mas aumentai a minha fé. Porque o Verbo, a Palavra de Deus, veio habitar no meio de nós.