as celebrações católicas devem ser realizadas com «criatividade» mas sem cair em «exageros», considera padre responsável pela liturgia na diocese do algarve
as celebrações católicas devem ser realizadas com «criatividade» mas sem cair em «exageros», considera padre responsável pela liturgia na diocese do algarveCelebramos mal. Não nos encontramos com a paz, não formamos o coração, lamentou Carlos aquino, sacerdote e responsável pelo setor da liturgia da diocese do algarve, durante a Jornada da Pastoral Litúrgica, que decorreu no último fim de semana, em Ferragudo, Portimão. Durante a sua intervenção, o sacerdote reprovou as liturgias muito pomposas, com muito incenso e muita criatividade mas sem alma, e acentuou a necessidade de a Igreja promover a arte de celebrar. Nas celebrações católicas há muita distorção, inteiras desfigurações, mesmo em nome da criatividade, muito desvirtuamento e deploráveis aberrações de ritos e de inteiras celebrações em nome da tal participação ativa, referiu. O conferencista lamentou que os católicos estejam acomodados e sejam assistentes. Temos de dar sabor e conteúdo às nossas celebrações cristãs. a celebração deveria criar abertura, provocar proximidade, podendo levar mesmo à comunhão de ideais, considerou. Já Flávio Martins, pároco de São Tiago e Santa Maria de Tavira, acentuou a prioridade a dar aos momentos de silêncio nas celebrações. De acordo com o jornal Folha do Domingo’, o encontro contou com a presença de 260 pessoas.