Um casal de leigos, da Comunidade Papa João XXIII, instalou-se numa casa em Fátima, com o propósito de acolher crianças desfavorecidas, deficientes ou dependentes. a ideia é proporcionar aos menores uma vivência em clima familiar
Um casal de leigos, da Comunidade Papa João XXIII, instalou-se numa casa em Fátima, com o propósito de acolher crianças desfavorecidas, deficientes ou dependentes. a ideia é proporcionar aos menores uma vivência em clima familiarTrouxeram três filhos de sangue, mais dois adotados e estão preparados para acolher outros tantos que vivam marginalizados ou em situação de pobreza. a partir desta sexta-feira, 4 de janeiro, a Comunidade Papa João XXIII passou a estar representada também em Portugal, com a abertura de uma Casa-Família, em Fátima. a moradia que vai servir de residência a Fabrizio e Rafaela Trovato e à sua família alargada foi benzida por antónio Marto, bispo da diocese Leiria-Fátima. É com grande alegria que os acolho na diocese e espero que este exemplo seja contagiante e irradiante e que a caridade continue a ser uma chama que dá luz e calor às comunidades cristãs, afirmou o prelado, destacando a nobreza do projeto, numa sociedade cada vez mais secularizada e dominada pela cultura do individualismo, em que cada um pensa só em si e no salve-se quem puder. Com experiência de vários anos no acolhimento em Itália, o casal foi desafiado pela comunidade a mudar-se para Fátima e não hesitou. É uma felicidade. Nós demos o sim e agora deixamos que Deus faça o resto. Estamos certos de que aqui Nossa Senhora não nos abandona, não nos deixa sozinhos. Estará certamente ao nosso lado nos momentos difíceis, disse Rafaela Trovato à Fátima Missionária. a Comunidade Papa João XXIII foi fundada pelo padre Oreste Benzi, no final dos anos 1960, com o objetivo de organizar um encontro simpático com Cristo para as crianças e adolescentes, através de campos de férias. Em 1973, os responsáveis da associação sentiram a necessidade de dar uma família a quem não a tem e abriram a primeira Casa-Família, na província de Rimini, em Itália. O conceito espalhou-se a todo o país, depois a África e em seguida aos quatro cantos do mundo. Em Fátima, a instalação do casal contou com o apoio de diversas instituições, entre elas os Missionários da Consolata. Uma família que acolhe outros filhos que trazem consigo a deficiência, a pobreza ou a dependência, precisa de uma grande capacidade de amor universal. Revela um amor que não faz barulho nem é publicitado, mas que dá sabor à vida, porque é um amor de doação e dedicação pelos mais carenciados, pelos que sentem mais o peso do sofrimento, por aqueles que trazem as feridas no corpo, no espírito ou no coração, sublinhou antónio Marto. Os menores serão entregues à família de acolhimento pelas instituições ou resgatados da pobreza pelo próprio casal.