Os líderes empresariais devem melhorar salários e ajudar os trabalhadores, porque numa época que é de crise, ainda há espaço para o êxito de muitas empresas, considera o secretário-geral da associação Cristã de Empresários e Gestores
Os líderes empresariais devem melhorar salários e ajudar os trabalhadores, porque numa época que é de crise, ainda há espaço para o êxito de muitas empresas, considera o secretário-geral da associação Cristã de Empresários e Gestoresas empresas que vão estar bem este ano devem, na medida da sua capacidade, aumentar os ordenados e apoiar os trabalhadores com mais dificuldades económicas, defende Jorge Líbano Monteiro, secretário-geral da associação Cristã de Empresários e Gestores (aCEGE). Mesmo num ambiente de recessão, existirá espaço e lugar para o sucesso de muitas empresas, que têm a obrigação de não se esconderem na crise, refere o dirigente, num artigo publicado no semanário da agência Ecclesia.
Entre as várias medidas propostas por Jorge Líbano Monteiro, está a melhoria dos salários, pagando remunerações mais próximas daquilo que é justo no plano da dignidade humana, e a oferta de um prémio social aos colaboradores, sobretudo para aqueles que vão lidar com mais dificuldades. Os administradores devem mesmo acudir discretamente a situações sociais e familiares difíceis dentro da sua empresa, sempre que puderem, refere o responsável, que entre as boas práticas sugere também pagar a horas aos fornecedores.