Presidente da Comunidade Vida e Paz defende que é necessário inovar na resposta ao crescente número de pessoas afetadas pela crise
Presidente da Comunidade Vida e Paz defende que é necessário inovar na resposta ao crescente número de pessoas afetadas pela crise No próximo ano, mais pessoas não vão ter dinheiro para as necessidades básicas e, se o setor da chamada economia social entrar em rutura, não se sabe o que é que nos pode acontecer. O alerta é de Henrique Joaquim, presidente da Comunidade Vida e Paz. Este responsável considera que as instituições de solidariedade social estão a conseguir dar uma resposta ao crescente número de pessoas que batem à porta a pedir ajuda, mas, sublinha, estão no fio da navalha. Henrique Joaquim disse, em declarações à Rádio Renascença, que os portugueses estão a responder a problemas novos com soluções velhas, e referiu que é preciso construir estratégias alternativas de forma a dar uma nova resposta às pessoas carenciadas. a Comunidade Vida e Paz é uma organização que conta com o apoio de 600 voluntários e desenvolve um trabalho com vista à reintegração dos sem-abrigo na sociedade.