Há várias modos de assinalar o Dia Mundial da Criança. No Funchal comemora-se com um peditório para a aldeia da Paz, que recolhe 36 crianças em risco.
Há várias modos de assinalar o Dia Mundial da Criança. No Funchal comemora-se com um peditório para a aldeia da Paz, que recolhe 36 crianças em risco. ” a gente agradece!”, exclama Teresa Carvalho, psicóloga, da Segurança Social.com a sua banquinha num ângulo da Praça do Município, interpela com entusiasmo os transeuntes apressados. “é para as crianças da aldeia da Paz!”, esclarece. Mais de uma dezena de postos espalhados pela cidade do Funchal, capital da Madeira, assinalam e trazem para a rua o “Dia Mundial da Criança”, para um peditório a favor de 36 meninos da aldeia da Paz.
é uma instituição “criada com o contributo de todos os madeirenses”. Foi organizada “uma colecta em todas as freguesias”, explica Teresa Carvalho, para construir a aldeia em 1995. Dirigida por uma congregação religiosa feminina, do Brasil, durante cinco anos, hoje a aldeia tem os Salesianos à frente, com a colaboração “do grupo que a construiu”.
“aceito mesmo notas! até prefiro. Pesam menos que as moedas!”, responde com bom humor Teresa Carvalho a uma passante que se excusava por falta de trocos. Este ano têm menos voluntários a fazer o peditório de três dias na rua: no Dia Mundial da Crianças, 1 de Junho, e no sábádo e domingo a seguir.
as voluntárias espalham-se com caixas apropriadas, pela cidade, carregadas de paciência e de sorriso. Não imaginam quanto vai render. Este ano há “pouca gente nos peditórios”. No ano passado conseguiram a bonita “soma de 17. 500 euros” (3. 500 contos), para apoiar uma instituição que promove crianças em risco a partir dos seis anos. São meninos da rua ou de famílias desestruradas, que ficam na aldeia da Paz até que as famílias tenham condições para as retomar. a experiência mostra que as crianças ficam na aldeia durante um período longo.
Uma maneira de assinalar o Dia Mundial da Criança: “Hoje e sempre, muito obrigado. Pela esperança de um futuro mais seguro”.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *