Horários escolares «muito extensos» e atividades extracurriculares deixam as crianças sem vontade nem tempo para estudar, comer e estar com a família. a opinião de uma psicóloga a poucos dias do início das aulas
Horários escolares «muito extensos» e atividades extracurriculares deixam as crianças sem vontade nem tempo para estudar, comer e estar com a família. a opinião de uma psicóloga a poucos dias do início das aulasOs horários escolares muito extensos e as atividades extracurriculares contribuem para que as crianças cheguem a casa mortas de cansaço e sem vontade nem tempo para estudar, comer e interagir com a família, considera Cristina Sá Carvalho, psicóloga ligada ao Secretariado Nacional da Educação Cristã (SNEC), em entrevista à agência Ecclesia. a especialistaacredita que as crianças precisam de tempo para não fazer nada, de se habituarem a estar sozinhas e a ajudar nas tarefas domésticas.com o arranque do ano letivo marcado para a próxima semana, Cristina Carvalho refere que o início das aulas implica o fim das atividades de férias como computadores, consolas de jogos e televisões porque o prazer de aprender deve estar associado com o esforço, disciplina e atenção. Entre as aulas há o recreio que não deve ser usado pelas crianças para estarem sozinhas num canto ou com mais um ou dois colegas à volta de um equipamento eletrónico porque a escola é uma oportunidade para os alunos conviverem com outras crianças, diz a responsável pelo departamento de catequese do SNEC.
O maior problema que o sistema de ensino enfrenta nos dias de hoje é, na opinião da psicóloga, o facto de os alunos não terem interesse em aprender nem perceberem a necessidade da aprendizagem. Para esta especialista, a maior parte das crianças entende os espaços escolares como locais sociais e não como um espaço de aprendizagem. Tal acontece porque muitos dos alunos vão para os estabelecimentos de ensino motivados para encontrar amigos e colegas, e muitas vezes também os professores.