O Observatório dos Direitos Humanos publicou um relatório, em que acusa os Estados Unidos de encobrir os verdadeiros culpados de abusos contra os prisioneiros de abu Ghraib.
O Observatório dos Direitos Humanos publicou um relatório, em que acusa os Estados Unidos de encobrir os verdadeiros culpados de abusos contra os prisioneiros de abu Ghraib. O Observatório dos Direitos Humanos (HRW) publicou um relatório sobre os abusos cometidos contra os prisioneiros sob custódia militar dos Estados Unidos da américa. O relatório apresenta provas que exigem uma investigação criminal a Rumsfeld, secretário do ministério da defesa, a Tenet, antigo director da CIa, ao general Ricardo Sanchéz, comandante geral no Iraque e ao general Geoffrey Miller, antigo comandante da prisão da Baía de Guantánamo em Cuba.

“Os soldados, no fundo da cadeia de comando, estão a sofrer as consequências de abu Ghraib e da tortura em todo o mundo, enquanto os comandantes que deram as ordens estão livres,” disse Reed Brody, membro do HRW. “Isso não está bem. ”

HRW afirmou que há provas de que a tortura de prisioneiros muçulmanos, por parte de forças norte-americanas, não aconteceu só em abu Ghraib, mas em vários lugares do afeganistão e Iraque. Também houve maus-tratos e tortura em Guantánamo e em “locais secretos”, espalhados pelo mundo, violando a convenção de Génova e as leis contra a tortura.

apesar de todas as provas, disse o HRW, os Estados Unidos deliberadamente encobrem os responsáveis de políticas de detenções ilegais, recusam uma investigação independente ao abuso de prisioneiros e não fazem investigação criminal aos superiores militares que permitiram tais abusos. Só soldados e oficiais de baixa patente foram condenados.

“Um ano depois de abu Ghraib, os Estados Unidos continuam com acções próprias das ditaduras e das repúblicas das bananas quando os seus abusos são descobertos. Encobrem o escândalo e passam a culpa para baixo”, disse Brody. “Um muro de impunidade cerca os responsáveis das políticas que levaram a estes crimes”.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *