Bombeiros de Portugal pedem aos pés de Maria auxí­lio na campanha de combate a incêndios, que este ano se inicia mais cedo.
Bombeiros de Portugal pedem aos pés de Maria auxí­lio na campanha de combate a incêndios, que este ano se inicia mais cedo. Milhares de bombeiros e suas famílias participaram na segunda II Peregrinação dos Bombeiros Portugueses, ao Santuário de Fátima.

Sob um pequeno manto de chuva, os bombeiros, que participaram na eucaristia celebrada num palco colocado no centro do recinto, pediram a protecção divina para a época de incêndios que se inicia a 15 de Maio. Protecção esta aos pés de Maria para que haja mais meios de combate a incêndios e que estes sejam em menor número, apesar do cenário de seca extrema propí­cio a estas ocorrências.

O governo promete instalar até 240 postos de vigia e mobilizar os meios necessários para o Serviço Nacional de Bombeiros e Protecção Civil.

Nesta peregrinação integrada nas comemorações do 75º aniversário, o presidente da Liga Portuguesa de Bombeiros, Duarte Caldeira, elogiou o trabalho do Estado na preparação da nova época de fogos, revelando que uma das intenções é “que este seja um ano melhor” nesta matéria.

O presidente da celebração, o bispo emérito de Coimbra, João Alves, elogiou o papel dos bombeiros na defesa dos portugueses “em horas de aflição”. “Sei que nem todos os meios de que necessitam estão conseguidos”, referiu o prelado, aguardando que, “dentro do possível, sejam atendidas” as reivindicações.

Durante a eucaristia foram benzidos os estandartes e símbolos das corporações presentes, terminando a cerimónia com a consagração a Nossa Senhora dos bombeiros de Portugal e suas famílias.

Na oração, o bispo emérito de Coimbra recordou que o papel da fé no trabalho dos bombeiros não deve ser esquecido pela sociedade. Só Jesus Cristo “nos pode inspirar, a cada instante, de noite e de dia, no calor e no frio, para levar a cabo a oferta do nosso coração e das nossas mãos a quem está caí­do na estrada da vida, frágil e abatido, com um incêndio, uma inundação, um acidente ou doença”, refere a oração de consagração.

Esta peregrinação pretendeu ser um decisivo contributo à partilha e reflexão de valores como a vida, a paz, o voluntariado, a gratuitidade, tão associados à vivência quotidiana dos bombeiros na sociedade contemporânea, defendem os organizadores.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *