O processo de canonização do cónego Formigão, o “apóstolo de Fátima”, está lacrado e encerrado. Deverá ser entregue, em breve, em Roma pelo padre jesuíta Manuel Murujão.
O processo de canonização do cónego Formigão, o “apóstolo de Fátima”, está lacrado e encerrado. Deverá ser entregue, em breve, em Roma pelo padre jesuíta Manuel Murujão. Lacrado, encerrado e pronto para entregar em Roma. O processo que visa à canonização do padre Manuel Nunes Formigão deverá ser entregue, dentro em breve, na Congregação para a Causa dos Santos, pelo sacerdote jesuíta, Manuel Murujão.

O processo foi encerrado oficialmente a 16 de abril numa cerimónia que juntou diversas autoridades eclesiásticas e amigos das Religiosas Reparadoras de Nossa Senhora das Dores de Fátima.

Primeiro crítico do fenómeno das aparições, foi depois o “grande apóstolo de Fátima”. “Formigão apostou na conversão e na reparação”, frisou o bispo da diocese de Leiria-Fátima. Serafim Ferreira Sousa e Silva referiu ainda que “não o vamos santificar, mas vamos ver se vale a pena colocá-lo no pedestal”.

a congregação para a Causa dos Santos avaliará agora a vida, virtudes e fama de santidade do sacerdote para que possa ser declarado venerável e, em seguida, beato.

O postulador da causa, Saturino Gomes, afirmou aos jornalistas não esperar por nenhum milagre e definiu o cónego Formigão como “um homem espiritual que prestou um serviço à Humanidade e que pode servir de modelo pela sua personalidade multifacetada”. “Sem o padre Formigão, Fátima não seria aquilo que é devido ao seu relacionamento com Jacinta, à sua dedicação e fundação da congregação (das Religiosas Reparadoras de Nossa Senhora das Dores)”, lembrou.

Na cerimónia, a superiora, irmã Maria Júlia More referiu a gratidão pelo dom que o fundador “é para nós, para Igreja e para o mundo”. Recordou ainda que as grandes paixões do padre Formigão foram “viver de acordo com o evangelho e seguir os passos de Jesus na busca permanente da vontade do Pai, e colocar toda a sua vida ao serviço da Igreja e dos irmãos”. Um sacerdote que “dedicou grande parte da sua vida à causa da Senhora de Fátima”.

as graças recebidas devem ser comunicadas para o Secretariado da Canonização, na congregação das Religiosas Reparadoras de Nossa Senhora das Dores, em Fátima.

Há uma oração para pedir a sua canonização e obter graças por seu intermédio, com aprovação eclesiástica. Pode ser pedida às religiosas desta congregação, fundada pelo cónego Formigão.

https://www.ecclesia.pt/reparadorasdefatima

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *