Vamos entrar na Semana Santa, a semana por excelência da liturgia da Igreja católica. Pela primeira vez sem a presidência do Papa nas celebrações. O seu estado de saúde ainda não o permite.
Vamos entrar na Semana Santa, a semana por excelência da liturgia da Igreja católica. Pela primeira vez sem a presidência do Papa nas celebrações. O seu estado de saúde ainda não o permite. O regresso do Papa ao Vaticano não foi bem do agrado dos médicos que o acompanharam nos últimos tempos. Deve-se sobretudo à sua vontade férrea e ao seu desejo de estar no Vaticano para enfrentar os dossiers que se vão acumulando e para seguir mais de perto as celebrações litúrgicas, que vão começar no Domingo de Ramos. Foi um regresso quase imposto por ele.

Correm vozes de que o Papa não está bem. a traqueotomia ainda não lhe permite respirar como seria desejável e persistem as dificuldades com a voz. apesar disso, não quis deixar de aparecer à janela na quarta-feira passada, dia da habitual audiência geral. Havia muita gente na praça de São Pedro. Sem pronunciar palavra, aproximou-se da janela e deu a bênção aos peregrinos presentes.

João Paulo II tornou-se no entanto presente, através da televisão, no encontro dos jovens da diocese de Roma e das dioceses vizinhas, que na tarde de quinta-feira, se celebrou na basílica de São João de Latrão. No fim da Vigília de adoração eucarística, através de um telão colocado na basílica, os milhares de jovens presentes puderam ver o Santo Padre que, sentado em sua cadeira, lhes enviou a sua bênção. O encontro tinha por objectivo preparar a Jornada Mundial da Juventude, que se realizará, de 15 a 21 de agosto, em Colónia (alemanha).

a aparição televisiva do Papa coincidiu com a leitura da mensagem que preparou para esta ocasião e que foi lida, em seu nome, pelo cardeal Camillo Ruini, bispo vigário da diocese de Roma e presidente da Conferência Episcopal Italiana. «Sei que estais sempre ao meu lado e que não vos cansais de rezar por mim. Saúdo-vos e agradeço-vos de todo o coração», disse o Papa na sua carta.

a mensagem é sobretudo uma oração a Jesus na Eucaristia pelos jovens do mundo, que vivem «numa época marcada por ódios, egoísmos, desejos de falsas felicidades, decadência de costumes, ausência de figuras paternas e maternas, instabilidade em tantas jovens famílias». «Pedimos-te, Senhor, que todos os jovens aqui presentes se unam a ti numa eterna acção de graças e se comprometam no mundo de hoje e de amanhã a serem construtores da civilização do amor».

a presidência das celebrações da Semana Santa foi distribuí­da pelos cardeais, que neste momento mais influência têm no governo da Igreja: Sodano, Ratzinger, Ruini, Re, Trujillo e Stafford. Os textos da Via-sacra deste ano foram encomendados ao cardeal Ratzinger, que será o presidente da celebração da noite do Sábado Santo. ao Papa fica reservada a bênção “Urbi et Orbi”, do Domingo de Páscoa, se a sua saúde o permitir. Mesmo assim, há quem preveja a sua presença na Via-sacra do Coliseu, como testemunho da união do seu sofrimento ao sofrimento de Cristo.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *