Luta contra o terrorismo e respeito pelos direitos civis podem e devem avançar lado a lado. Qualquer recuo na área dos direitos é uma derrota face ao terrorismo.
Luta contra o terrorismo e respeito pelos direitos civis podem e devem avançar lado a lado. Qualquer recuo na área dos direitos é uma derrota face ao terrorismo. No encontro de Madrid, o secretário-geral das Nações Unidas (ONU), Kofi annan, expôs a estratégia para lutar contra o terrorismo. E anunciou a criação de um departamento, sob a sua directa dependência, para supervisionar a respectiva implementação.

“Há muitos anos que as Nações Unidas têm um papel importante nesta área e têm tido muito sucesso. Mas precisamos de fazer mais e melhor”, afirmou Kofi annan.

advertiu que o sucesso da estratégia dependerá da colaboração de todos os sectores da sociedade. O objectivo é dissuadir os grupos rebeldes que optam pelo terrorismo.

“Qualquer autoridade moral e Política deve mostrar claramente que o terrorismo é inaceitável em qualquer circunstância ou cultura”, declarou o secretário-geral. “Não só os líderes políticos, mas a sociedade civil e os líderes religiosos deveriam denunciar as tácticas terroristas como criminosas e sem justificação possível”.

Na convenção de Madrid, o terrorista foi definido como “qualquer pessoa que cause a morte ou dano a inocentes ou civis não combatentes”. Por isso Kofi annan afirmou com ênfase que o terrorismo é uma ameaça directa aos valores essenciais defendidos pela ONU.

Em alguns países, as medidas tomadas contra o terrorismo não respeitam os direitos humanos. O seu desrespeito “causa o colapso dos valores morais mais altos, provocando tensões, ódio e desconfiança em relação às autoridades”.

Kofi annan apresentou a estratégia da ONU para combater o terrorismo, em cinco pontos:
1. Uma campanha global e vigorosa para impedir que o descontentamento de sectores da população mundial leve ao terrorismo. Deverá envolver todas as autoridades políticas, culturais e religiosas de todos os países.

2. Controlar as exportações e ajudas financeiras de modo a cortar ao terrorismo os meios de que necessita. Exige que se controle e, se possível, elimine armas tóxicas, biológicas ou nucleares. 

3. O conselho de segurança continua a manter uma linha dura contra os países que apoiem grupos terroristas. 

4. apoiar o fortalecimento das estruturas internas dos diferentes países para desenvolver a capacidade de prevenir o terrorismo. 

5. Defender os direitos humanos. a legalidade e os direitos humanos têm que ser mantidos no combate ao terrorismo.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *