Que as crianças são o futuro, todos o dizem e sabem. é urgente investir, sem limites e a sério, na construção do futuro, que precisa, desesperadamente, de ser melhor.
Que as crianças são o futuro, todos o dizem e sabem. é urgente investir, sem limites e a sério, na construção do futuro, que precisa, desesperadamente, de ser melhor. Duas meninas, acompanhadas por uma senhora, apresentaram-se, a 19 de Fevereiro, numa das paróquias em que presto serviço. Contaram ao pároco, padre Salvador Forner, uma história arrepiante.

Insinuaram que certa instituição, destinada a acolher órfãos, estava envolvida no tráfico de menores. E acrescentaram que viviam nessa instituição. a 16 de Fevereiro alguém passara por lá para as trazer para Maputo, com a intenção de as entregar a alguém que as deveria levar para a África do Sul.

Ficamos alarmados, até porque não pediram qualquer ajuda material, o que regra geral acontece, acompanhado da narração de histórias trágicas. alguns paroquianos, tendo tido conhecimento do caso, mostraram-se igualmente preocupados.

Outro facto que nos alarmou foi a apatia da polícia. Sempre acompanhadas pela mesma senhora que as acolheu por alguns dias em sua casa, as meninas tinham apresentado queixa. a paróquia informou a assistência social, que se prontificou a contactar a sua filial da cidade de onde vinham, a fim de investigar o assunto.

Encontrámos um lugar de acolhimento provisório para as meninas, que a 7 de Março confessaram que tinham inventado a história. Uma delas, com 16 anos, está grávida; a outra,de 14, de facto é órfã e vivia na tal instituição. ambas fugiram para Maputo, à procura de emprego e de uma vida melhor. Para isso inventaram toda a história, para atrair a atenção sobre a sua situação.

Este espaço não me permite alongar-me mais. Não podemos, porém, ignorar a situação familiar e social, que é a realidade dramática deste país: mulheres com filhos, abandonadas pelos maridos; poligamia; incerteza da paternidade e tantos outros problemas. Tudo se traduz em desatenção e desvalorização da criança.

as crianças são a faixa da sociedade mais desprotegida e mais ameaçada pela situação social que aqui se vive. a Igreja já está a olhar para esta realidade. Mas está ainda aquém das necessidades. Infelizmente, a pastoral da criança não é uma prioridade para a Igreja. Entretanto o futuro do país está a ficar comprometido. Na verdade, o futuro são mesmo as crianças.

as duas meninas encontraram um ambiente de acolhimento, de interesse e de amizade nas Irmãs Servas de Nossa Senhora de Fátima, a quem muito agradeço. abandonaram a falsa segurança da mentira, para entrar no dinamismo construtivo da confiança.

as crianças necessitam de carinho, confiança e amor. Do calor humano, para poderem crescer saudavelmente; para se tornarem adultos válidos.

Muitos dos problemas da sociedade actual estão a ser resolvidos com a vacina infantil da SIDa, da criminalidade, da prostituição, da droga. Onde a família, por variados motivos, não consegue chegar, é nosso dever como cristãos empenharmos tudo o que somos e temos segundo o exemplo de Jesus. Ele sempre mostrou um grande interesse pelas crianças destinatárias do reino de Deus (ver: Mc 9,36s; 10,15; Mt 18, 2-5; Lc 9,47s; 10,21; 18,17; etc. ).

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *