a irmã Dorothy Stang, missionária norte-americana assassinada pelo seu compromisso na defesa dos sem-terra, no estado do Pará, Brasil, continua a falar mesmo depois da sua morte.
a irmã Dorothy Stang, missionária norte-americana assassinada pelo seu compromisso na defesa dos sem-terra, no estado do Pará, Brasil, continua a falar mesmo depois da sua morte. Dom Erwin Krí¤utler, bispo do Xingu, relatou aos bispos do Conselho Permanente da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB) o facto da violência no Pará: o assassinato de irmã Dorothy Stang, Soares e Cláudia.

” a realidade é muito dura. O povo está com muito pavor. Já nem consegue dizer “basta!”. E nós somos bispos deste povo”, disse emocionado Dom Erwin Krí¤utler.

Falou da realidade. as terras de anapu são de grilagem. Em 1999 o INCR a mandou lotear as terras de anapu. Houve resistência dos grandes latifundiários.

“Dorothy tornou-se um símbolo da resistência dos pequenos”. Segundo o agricultor que a acompanhava, ela pegou na Bíblia e leu ao agressor. Foi cobardemente morta pelos pistoleiros. Ficou estendida na estrada, das 9 às 16 horas, debaixo de chuva.

Dom Erwin trouxe uma carta das Irmãs de Notre Dame a solicitar que o acompanhamento do caso seja feito pela Justiça Federal, carta que vai ser entregue ao Presidente da República. Uma cópia foi entregue ao presidente da CNBB, Dom Geraldo Majella agnelo .

Os bispos reagiram, manifestando solidariedade a Dom Erwin Krautler e sugerindo que acompanhe de perto as investigações.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *