Grupos armados colombianos estão entre os maiores violadores das convenções internacionais, recrutando crianças como soldados. Mais de 11 mil crianças estarão no conflito armado colombiano.
Grupos armados colombianos estão entre os maiores violadores das convenções internacionais, recrutando crianças como soldados. Mais de 11 mil crianças estarão no conflito armado colombiano. O Conselho de Segurança da ONU (Nações Unidas) discutiu, a 23 de Fevereiro, o relatório sobre “Crianças e Conflitos armados”. a Colômbia aparece como um país que utiliza as crianças como soldados. Três grupos armados colombianos são acusados: as Forças armadas Revolucionárias da Colômbia (FaRC), o Exército Nacional de Libertação (ELN) e os grupos paramilitares.

” a ONU reconheceu que tanto as guerrilhas como os paramilitares violam as normas internacionais ao utilizarem crianças como soldados”, disse José Miguel Vivanco, director de “Human Rights Watch” (Observatório dos Direitos Humanos) para as américas.

Calcula-se que mais de 11 mil crianças estejam no terreno do conflito armado colombiano. Trata-se de um número dos mais elevados do mundo. Pelo menos, um em cada quatro combatentes irregulares da Colômbia tem menos de 18 anos. Milhares têm menos de 15 anos, idade mí­nima para se envolver em conflitos armados, segundo a convenção de Genebra.

Há pressões sobre o governo colombiano para que ratifique o protocolo opcional à “Convenção dos Direitos das Crianças”, assinado em 2000. Este estabelece os 18 anos como idade mí­nima para o recrutamento.

Cerca de 80 por cento das crianças combatentes pertencem a ambas as guerrilhas: FaRC ou ELN. Os restantes estão nas fileiras dos paramilitares. No debate em curso, o governo está empenhado em conseguir que os grupos rebeldes dêem prioridade a desmobilização das crianças-soldado. Os responsáveis pela utilização de crianças no conflito terão de ser julgados.

Muitas crianças juntam-se aos grupos armados em troca de comida e protecção física. Procuram escapar à fome e à violência doméstica. Outras são enganadas por promessas de dinheiro, ou obrigadas a entrar por medo ou coacção.

Crianças, muitas com apenas 13 anos, são treinadas para usar metralhadoras, granadas e morteiros. Muitas vezes recebem ordens para tomar parte em execuções sumárias, torturas, assassínios, raptos e ataques à população civil. Estão expostas a doenças, exaustão física, morte e tortura às mãos do inimigo. a violação é um crime frequente a que estão expostas estas crianças. Tentar escapar é arriscar a morte própria e de familiares.

é urgente que tanto o governo colombiano, como a comunidade internacional tomem medidas adequadas para proteger os direitos destas crianças.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *