atraente ou louco, deixar a própria terra… ? Depende do ponto de vista. Eis a história da minha decisão de partir para a Guiné, depois de passar por Portugal para aprender português.
atraente ou louco, deixar a própria terra… ? Depende do ponto de vista. Eis a história da minha decisão de partir para a Guiné, depois de passar por Portugal para aprender português. Chamo-me Francisco Colucci. Sou um jovem italiano, estou em Portugal a aprender a língua portuguesa, antes de partir para a Guiné.

Tinha eu 13 anos, quando encontrei um padre espiritual, que fora missionário durante 15 anos na Tanzânia e no Brasil. ao ouvi-lo falar de África e das missões, comecei a pensar numa possível experiência em terras de missão.

Mas tinha 13 anos! Os meus pais dificilmente acreditariam que eu falasse seriamente. Hoje, passados seis anos, parto! Vou ensinar numa escola profissional e e desenvolver um projecto de pastoral juvenil, a pedido do bispo de Bissau, José Cámnate.

Muitos perguntam-me: Porquê, esta decisão? O que é que me faz deixar tudo o que tenho, incluindo a riqueza de poder dispor de uma mesa já preparada para eu comer?
O que será?

é, sem dúvida, a consciência de que não deixo tudo por nada, mas o “nada” para encontrar o Tudo. é o convite de Jesus que se revela no irmão que tem fome. Não apenas de pão para a boca, mas também fome de Cristo. é a vontade de tornar-me pobre com os pobres, humilde com os humildes. Caminhando com eles pelo mesmo caminho sob o peso da cruz decada um deles, a cruz da nossa indiferença pelos mais esquecidos da terra.

acabou-se o tempo das palavras, da teoria. Voltamos à Palavra. anunciamo-la com as obras, com a nossa vida. é o convite de Cristo a quantos somos chamados hoje. é o convite para a festa, que conduz à verdadeira felicidade. Que faz do Seu convite um convite atraente e não louco.

Depois de ter esperado muito tempo, parto. Por um ano, ao menos, por agora. agradeço a Deus que me atendeu. agradeço pelo dom da fé que me deu.

Gostei de comunicar esta minha experiência. Obrigado por me darem a possibilidade de falar da minha experiência africana que está para começar.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *