Direitos humanos dos detidos devem ser respeitados, independentemente do crime que possam ter cometido. Cruz Vermelha visita prisioneiros
Direitos humanos dos detidos devem ser respeitados, independentemente do crime que possam ter cometido. Cruz Vermelha visita prisioneirosMilhões de pessoas vivem atrás das grades, em todo o mundo. Mas, independentemente da razão que as levou ao encarceramento, elas têm o direito a serem tratadas com humanidade, sem maus-tratos e tortura, defende a Cruz Vermelha, no seu site. a organização visita 500 mil detidos em 80 países todos os anos. Não só prisioneiros de guerra, mas também civis. O objectivo é avaliar as condições de vida dos detidos e certificar-se que os seus direitos sejam respeitados. (Ver filme)
O Haiti reflecte o quão duro pode ser a vida de alguns detidos. No país, assolado por um violento terramoto em Janeiro de 2010, a situação humanitária nos centros de detenção piorou. Muitos arquivos perderam-se entre os escombros, o que veio complicar os casos de prisão preventiva prolongada e a sobrelotação dos urbanística. a falta de espaço é um dos graves problemas; alguns detidos chegam ao ponto de ter que dormir de pé. Questões de segurança limitam bastante as saídas ao ar livre. Saúde e higiene deixam a desejar.