Prelados manifestam-se contra exportação de convicções ocidentais, recusam o aborto e reafirmam o valor da família
Prelados manifestam-se contra exportação de convicções ocidentais, recusam o aborto e reafirmam o valor da famíliaQuem cuida destas crianças durante todo o dia? abandonadas à sua sorte, têm como companhia outras crianças, a rua, a televisão. Vemos assim crianças a cuidar de outras crianças, educadas na rua, à mercê de tudo e de todos, denunciou antónio Jaca. Nos trabalhos do Sínodo que decorre até 25 de Outubro no Vaticano, o prelado manifestou a preocupação pelas consequências, para as famílias, das mudanças nos hábitos das populações, fruto do êxodo da aldeia para a cidade.
Também em Cabo Verde, a instabilidade das famílias foi apontada pelo bispo da diocese de Cabo Verde, como fonte de preocupação. a instabilidade das famílias, motivada pela emigração, pelo divórcio e o receio do compromisso matrimonial sem uma co-habitação anterior são desafios, frisou arlindo Furtado.
Os participantes do Sínodo dos bispos reafirmaram sua oposição ao aborto e ressaltaram que a prática é fruto do imperialismo cultural , cujas convicções são exportadas. O arcebispo de Nairobi, John Njue afirmou que a ajuda condicionada à mudança de valores das pessoas sobre temas como o aborto e a concepção da família é errada.
O arcebispo de Dakar, Theodore Sarr sublinhou que, em África, há um grande respeito pela vida e justamente por isso consideramos que o aborto não é uma prática a ser incentivada de modo algum . O arcebispo de Durban, cardeal Wilfrid Fox Napier considera justo que o aborto na África seja considerado um crime.