Na Coreia do Sul ter um primogénito do sexo masculino era, em tempos passados, motivo de orgulho para muitas mães. Hoje não é assim. Pelo contrário
Na Coreia do Sul ter um primogénito do sexo masculino era, em tempos passados, motivo de orgulho para muitas mães. Hoje não é assim. Pelo contrário a condição da mulher na Coreia do Sul tem sofrido muitas alterações. Quando Park He-ran era jovem, as mulheres perguntavam-lhe, com alguma inveja, qual era o segredo dela. Tinha dado à luz três filhos. Hoje, com 61 anos, é confrontada com uma reacção bem diferente. Consideram-na uma mulher de pouca sorte.
a tradicional preferência pelos primogénitos masculinos tem decrescido ultimamente. a consequência é que o número de abortos realizados por causa do sexo feminino do feto começou a diminuir. Perante o aumento significativo do número de crianças do sexo masculino, as autoridades lançaram campanhas de sensibilização, a partir dos anos 70. Deste modo começaram a valorizar o sexo feminino.
Um slogan famoso dizia: Uma menina que receba uma boa educação vale mais do que 10 filhos!. Mas só nas últimas duas décadas a mudança de mentalidade começou a ganhar dimensões significativas. De acordo com um estudo do Banco Mundial, publicado em Outubro do ano passado, a Coreia do Sul é o primeiro de vários países asiáticos onde a acentuada desproporção entre os sexos tem tendência a corrigir-se.
Em 2007, nasceram 107 rapazes para cada 100 raparigas, ao passo que em 1990 eram 116 para cada 100. a mudança deve-se sobretudo ao factor económico. Ou seja, as mulheres começaram a tirar cursos universitários e a entrar em força no mundo do trabalho. Tornaram-se mais independentes económica e emocionalmente. a mudança não deixa de ter consequências negativas. Provocou o aumento significativo do número de divórcios, mas não há dúvida que os elementos positivos são bem mais significativos, tanto em qualidade como em quantidade.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *