Foi confirmado o que se suspeitava há muito tempo: a ajuda humanitária destinada a alimentar o povo da Coreia do Norte, que padece a fome, é consumida em boa parte pelos militares
Foi confirmado o que se suspeitava há muito tempo: a ajuda humanitária destinada a alimentar o povo da Coreia do Norte, que padece a fome, é consumida em boa parte pelos militaresHá fotos que mostram militares a descarregar sacos de arroz, com a famosa marca da Cruz Vermelha sul-coreana, em bases militares espalhadas ao longo da fronteira com a Coreia do Sul.
Desde que a Coreia do Norte foi atingida por uma crise alimentar devastadora, em 1995, a Coreia do Sul enviou cerca de 2,7 milhões de toneladas de arroz e 20 mil toneladas de milho e outros mantimentos. Este ano, foram já enviadas cerca de 500 mil toneladas. Seúl continua a enviar esta ajuda humanitária até mesmo quando a tensão entre os dois países foi elevada. Teme-se que a fome atinja dimensões catastróficas.
ao desviar a ajuda para alimentar os seus militares, o governo norte-coreano está a trair a boa vontade dos sul-coreanos. Nega o acesso ao arroz aos verdadeiros destinatários. a continuação desta prática poderá vir a a ter influências negativas na política do novo governo sul-coreano, que promete ser menos tolerante para com o governo do Norte.
Suspeita-se que as administrações anteriores estivessem a par deste desvio continuado da ajuda humanitária. Há quem insista que o governo deveria usar estas provas para pressionar os líderes norte-coreanos a mostrarem maior transparência no lidar com a ajuda que lhes é enviada. O Ministério da Unificação já reconheceu que o actual nível de transparência não é suficiente.
Era de esperar que isso acontecesse. afinal, um país que passa fome e recebe ajuda alimentar tem que alimentar primeiro a base do poder político. Na Coreia do Norte, esta base está nas mãos dos militares.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *