” a observação que eu faço ao mundo político é a falta de coragem”, afirma Nicolas Buttet em conferência de imprensa, após a sua intervenção no congresso de Bruxelas.
” a observação que eu faço ao mundo político é a falta de coragem”, afirma Nicolas Buttet em conferência de imprensa, após a sua intervenção no congresso de Bruxelas. Suíço, padre desde 2004, Nicolas Buttet é um jurista de formação. Entre outros cargos políticos, foi deputado no parlamento regional de Valais. Em 1997 fundou a fraternidade Eucharistein, na Suíça.
Os meus antigos amigos estão hoje em lugares de responsabilidade bastante importantes. Encontro-me com eles regularmente, responde ao jornalista que o interpela sobre a sua acção no mundo da política que ele deixou para se tornar clérigo.
O que me choca mais no mundo político é que discute-se, cara a cara, afirma Nicolas Buttet.compreendemos muito bem o desafio, pessoalmente penso como tu. Mas quando se trata de ir mais, nota-se uma falta de coragem. Para o sacerdote a ajuda que a fé pode dar aos políticos é de facto na coragem. E acrescenta: Por vezes o que eles fazem não é o que desejariam fazer devido à velocidade do mundo. Lamenta que não façam o que está no profundo do seu coração.
Nicolas Buttet afirma que a sociedade julga-se pelo modo como trata os seus pobres. É o critério de verdade da acção política. Saber como os mais pobres, os mais desprotegidos são tidos em conta na perspectiva política.
a terminar o padre-político diz aos políticos que o poder é um serviço de tal maneira importante ao bem comum, à coordenação dos interesses particulares. O político tem de ter a consciência de que ao abordar a sua missão enquanto servidor, então algo se transfigura neste mundo. a chave da acção de um político será a de descobrir a pessoa que está diante dele. E termina: a centralidade da pessoa humana pode tornar-se o coração de uma nova revolução política e social.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *