Foto: "Vida ONG"

O projeto “Mindjeris Di Amanha” encontra-se a decorrer na Guiné-Bissau, com o objetivo de apoiar as horticultoras vendedoras que integram aquele programa. No âmbito desta iniciativa, foi realizada “mais uma sessão de demonstração de práticas agroecológicas”, no final da última semana, conforme indicam os envolvidos no projeto.

A sessão incidiu sobre a “construção e manutenção dos canteiros”, e “foram abordados vários temas e práticas”, como o “nivelamento, espaçamento entre plantas, rega, rotação de culturas, tratamento biológico de pragas, compostagem e importância das árvores na horta”, entre outros elementos.

Entre as participantes estava Rozete Mendes, que considera que a sessão foi de uma importância essencial para o trabalho que executa. “Para o próximo ano faço assim os meus canteiros! Só não fiz este ano porque não tinha tido esta formação”, lamentou a horticultora, com a esperança de que em 2022 as suas produções possam melhorar, como consequência das novas aprendizagens.

Com o nome “Mindjeris di Amanha: Fortalecimento da atividade produtiva e comercial das mulheres horticultoras-vendedoras da região de Cacheu” este projeto conta com o financiamento do Instituto Camões. O projeto na área da agroecologia e da horticultura tem como propósito contribuir para a resiliência e para o desenvolvimento rural das comunidades participantes.

Texto: Juliana Batista

Tagged: