Foto: João Relvas / Lusa

Sessenta e sete educadores de infância, dos 14 jardins de infância e creches do distrito de Lembá, em São Tomé e Príncipe, estiveram envolvidos em ateliês dedicados à construção de brinquedos tradicionais. Os ateliês, cinco no total, deram origem “bonecas de folha de bananeira, instrumentos musicais, bolas, fios e cestas”, indica a Helpo, uma organização não governamental para o desenvolvimento (ONGD) portuguesa, envolvida nesta ação.

A iniciativa constitui uma forma de “valorizar saberes, reutilizar recursos e dotar os espaços educativos de materiais pedagógicos locais adequados ao desenvolvimento da criança” que frequenta um jardim de infância, destaca o organismo português. Ao mesmo tempo, a iniciativa é uma ocasião para tornar as equipas pedagógicas “mais coesas, unidas e motivadas pelo trabalho que fazem em prol do pré-escolar na ilha”, realça a Helpo.

As oficinas dedicadas à construção de brinquedos decorreram, sobretudo, ao ar livre e sob a utilização de máscara, no contexto da atual pandemia da Covid-19. Os ateliês tiveram lugar no contexto do projeto “Valorização de educação pré-escolar em São Tomé e Príncipe através do conhecimento e da utilização de recursos locais”. A Fundação Calouste Gulbenkian (FCG) é a principal financiadora deste programa.

Texto: Juliana Batista

Tagged: