Encontram-se a ser afixados, nas regiões guineenses de Bafatá, Gabú, Quinara e Tombali, cartazes de divulgação do Decreto-lei n.º 6/14, o qual criminaliza a violência doméstica. A afixação destes cartazes é uma forma de mostrar à população que a violência doméstica é crime.

Ao mesmo tempo, estes suportes dão conta do “direito das vítimas a terem atendimento gratuito nas estruturas de saúde e nas autoridades policiais”, explicam os serviços de comunicação da Fundação Fé e Cooperação, um dos vários organismos envolvidos nesta ação. A iniciativa acontece no contexto do projeto “Nô na cuida di nô vida, mindjer”, que tem como propósito “promover e garantir os direitos das meninas e mulheres da Guiné-Bissau”.

O projeto em causa é aplicado no terreno pela ONG Mani Tese, pela FEC e pela organização ENGIM Internazionale. O programa conta com a parceria da Rede Ajuda – Cooperação e Desenvolvimento, do Gabinete de Estudos, Informação e Orientação Jurídica e do Instituto da Mulher e Criança. O projeto é financiado pela União Europeia na Guiné-Bissau, pela organização Die Sternsinger, pelo Instituto Camões, pela comunidade Otto per Mille Valdese e pela Conferência Episcopal Italiana.

Tagged: