Dois cientistas portugueses foram contemplados com bolsas “Starting Grant” do European Research Council (ERC), no valor de quatro milhões de euros. Paulo Rocha, do Centro de Ecologia Funcional da Faculdade de Ciências e Tecnologia da Universidade de Coimbra (FCTUC), recebe 2,2 milhões de euros para realizar o projeto “Green – Generating Energy from Electroactive Algae”, que visa a geração de energia limpa e sustentável através da comunicação entre algas.

O cientista explica que este projeto, com a duração de cinco anos, “alinha-se no desenvolvimento de uma nova fonte de energia limpa, de baixo custo, com vista a minimizar significativamente os custos de eletricidade, o uso de combustíveis fósseis e emissões de dióxido de carbono”. O investigador afirma estar com um “orgulho imenso de ter sido selecionado num dos programas mais competitivos do mundo da ciência”, também por poder “desenvolver este projeto em Portugal, na Universidade de Coimbra”. A atribuição desta bolsa europeia vai assim permitir criar um laboratório de Bioenergia e Bioeletrónica.

Por sua vez, Bárbara Gomes, professora na Faculdade de Medicina da Universidade de Coimbra (FMUC), obtém 1,8 milhões de euros para levar a cabo um estudo inovador sobre as experiências dos cidadãos em relação ao local onde preferem morrer e onde realmente morrem, intitulado “EOLinPLACE – Choice of where we die”. A investigação será desenvolvida em Portugal, Holanda, Uganda e Estados Unidos da América. O projeto deverá contribuir para aumentar a humanização e qualidade na prestação dos cuidados de saúde em fim de vida.

Para Cláudia Cavadas, vice-ritora da UC responsável pelo pelouro da investigação, estas duas prestigiadas bolsas europeias “vão reforçar e potenciar a investigação de excelência na UC”. As bolsas “ERC Starting Grants” são dirigidas a cientistas em início de carreira, permitindo-lhes formar grupos de trabalho e levar a cabo projetos em diversas áreas científicas.

Tagged: