Daniel Bastos - Historiador

No decurso do passado mês de abril, fomos surpreendidos com a triste notícia do falecimento do conhecido empresário do ramo da restauração, João Loureiro. Uma figura emblemática da numerosa comunidade portuguesa de Newark, que por estes dias enfrenta com resiliência a pandemia de Covid-19 que afeta severamente os Estados Unidos da América, e que foi a causa da morte precoce do fundador e sócio do restaurante Ibéria.

Natural de Vila Nova da Cerveira, vila minhota situada no distrito de Viana do Castelo, o percurso de vida de João Loureiro confunde-se com o sucesso do conhecido restaurante Ibéria que liderou durante décadas com o seu sócio Jorge Fernandes. Espaço gastronómico, que se tornou ao longo dos anos, um local de referência da comunidade luso-americana no estado de New Jersey, e no qual organizou inúmeros eventos tendentes a angariar donativos para apoiar instituições de solidariedade social da sua terra natal.

Instituições como os Bombeiros Voluntários e a Santa Casa da Misericórdia de Vila Nova de Cerveira, cujas missões basilares visam a melhoria do bem-estar das pessoas no seu todo, prioritariamente dos mais desprotegidos, e que ao longo do percurso do emigrante benemérito nunca deixaram de contar com a sua denodada afeção bairrista e valioso apoio benemérito.

Numa época em que são já conhecidos vários casos de infeção e de mortes entre emigrantes lusos, particularmente na América do Norte, ainda recentemente a imprensa de língua portuguesa do Quebeque, província situada na parte oriental do Canadá onde vivem milhares de emigrantes e lusodescendentes, noticiou a morte por Covid-19 de seis compatriotas, cujas raízes remontam ao arquipélago dos Açores, evocar a memória de João Loureiro é também uma forma de avivar o espírito de solidariedade que mais do nunca deve nortear as Comunidades Portuguesas.

A imperecível dimensão altruísta, bairrista e benemérita de João Loureiro, é acima de tudo um exemplo inspirador que não pode deixar de ser recordado e enaltecido, porque como afirmava o filósofo Friedrich Schiller, “não temos nas nossas mãos as soluções para todos os problemas do mundo, mas diante de todos os problemas do mundo temos as nossas mãos”.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *