Inspirados pelo recente Sínodo sobre a Amazónia convocado pelo Papa Francisco, e movidos pela vontade de ajudar o povo macuxi a crescer na cidadania ativa, para que dessa forma possa ter ferramentas para proteger e preservar o seu território, os Missionários da Consolata em Portugal decidiram dedicar o seu Projeto Anual para o próximo ano a um plano de formação de jovens e líderes da Terra Indígena Raposa Serra do Sol (TIRSS).

A TIRSS situa-se na Amazónia, no estado do Roraima, no Brasil, tem uma superfície de 17 mil quilómetros quadrados e alberga quase 26.000 habitantes, na maioria macuxi, os quais vivem em harmonia com os ingarikó, taurepang, jarekuna, patamona e wapixana.

Atualmente, e apesar de estar demarcada e homologada, esta área indígena encontra-se ameaçada por mega-projetos de mineração, de agronegócio e de construção de barragens, pela desflorestação e pelos incêndios, muitos deles alegadamente provocados por madeireiros e fazendeiros.

A realidade em que se movem os missionários presentes naquele território é um desafio permanente: têm que percorrer grandes distâncias, por estradas precárias e pontes inseguras e os meios de transporte são escassos. Na saúde, falta medicina preventiva, a alimentação é de baixo valor nutritivo, falta saneamento básico, e as doenças sexualmente transmissíveis estão a aumentar, assim como a dependência do álcool entre os jovens indígenas. No setor da educação, há falta de professores, de um acordo entre as comunidades sobre o ensino da língua indígena, de um calendário diferenciado que englobe as várias tradições, e de propostas pedagógicas.

Tendo em conta este contexto, com a nova campanha, que decorrerá ao longo de 2020 sob o lema “Nós somos Amazónia”, os missionários pretendem angariar fundos que permitam financiar cursos e encontros de formação nas 205 comunidades da Raposa Serra do Sol. Estas ações irão abranger cerca de 500 líderes indígenas e mais de 2.000 jovens, capacitando-os para defender a sua própria terra e o direito à vida, tendo como base essencial a defesa da cultura indígena, da terra e do meio ambiente.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *