Uma organização não governamental advertiu que a proposta de uma ponte sobre o rio Zambezi no centro de Moçambique pode trazer prosperidade económica mas também prostituição infantil e sida.
Uma organização não governamental advertiu que a proposta de uma ponte sobre o rio Zambezi no centro de Moçambique pode trazer prosperidade económica mas também prostituição infantil e sida. a ponte, de mais de dois quilómetros, que ligaria as cidades de Caia e de Chimuara resultaria na chegada de “um grande número de homens sem as suas esposas e com dinheiro para gastar, aumentando a preocupação entre os adultos e crianças locais”, disse Chris McIvor, director em Moçambique do programa britânico Salvem as Crianças.
ambas as cidades estão localizadas em províncias com forte incidência de sida, mais de 20 por cento, e uma história de condutores de camião que exploram mulheres e crianças, o que aumentou a preocupação dos trabalhadores sociais e da área da saúde na região. Dois anos de investigação da organização não governamental britânica mostraram que estruturas familiares débeis nas comunidades cronicamente pobres das margens do Zambezi criam um ambiente “particularmente perigoso” para as crianças.
Mais de 70 por cento das crianças da região trabalham para ajudar a manter as suas famílias; quase 40 por cento sofrem de desnutrição crónica comendo apenas uma vez por dia; além disso, são vulneráveis a abusos por parte dos forasteiros que vêm trabalhar nos projectos de infraestruturais da região.
a construção da ponte que vai unir o norte ao sul do país vai trazer trabalho e acesso a melhores cuidados de saúde. Mas vai levar pelo mês três anos a construir a ponte, aumentando a preocupação devido às doenças sexualmente transmissí­veis. Para ajudar a impedir a promoção da indústria sexual nas cidades, a organização não governamental britânica Salvem as Crianças, recomendou que os trabalhadores possam visitar regularmente as suas famílias. O próprio governo já tomou medidas para obrigar a empresa de construção a promover programas de consciencialização sobre os perigos da sida na região.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *