Se o nosso carácter não se modificou, ou se ainda não vencemos as tentações, não procuremos desculpas, acusemos antes a nossa preguiça.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *