Secretário-geral das Nações Unidas prometeu «ação decisiva» perante relatórios de exploração sexual cometidos por militares das forças de paz da ONU destacadas no país. Ban Ki-moon anunciou que aceitou a renúncia do chefe da missão de paz da ONU
Secretário-geral das Nações Unidas prometeu «ação decisiva» perante relatórios de exploração sexual cometidos por militares das forças de paz da ONU destacadas no país. Ban Ki-moon anunciou que aceitou a renúncia do chefe da missão de paz da ONU O responsável máximo das Nações Unidas fez saber que aceitou a renúncia do chefe da missão de paz da ONU na República Centro-africana, agendou uma sessão especial do Conselho de Segurança sobre os relatórios que dão conta de atos de exploração sexual cometidos por militares das forças de paz das Nações Unidas destacadas no país, e comprometeu-se em nome da ONU a levar os autores desses abusos à justiça. Eu não posso dizer por palavras como angustiado, irritado e envergonhado estou com estes relatórios sobre anos de exploração sexual e de abuso por parte de forças da ONU, disse Ban Ki-moon. O secretário-geral da ONU lamentou o número preocupante de alegações de abusos e afirmou que o desafio sistémico de abusos sexuais exige uma resposta sistémica pela ONU. Quando as Nações Unidas implantam forças de paz, fazemo-lo para proteger as pessoas mais vulneráveis “‹”‹do mundo nos lugares mais desesperados do mundo, declarou Ban Ki-moon. Não vou tolerar qualquer ação que leve as pessoas a substituir a confiança pelo medo.