Governo restringiu a saída de emigrantes para 21 países, sobretudo aqueles que pretendem arranjar um emprego como trabalhadores domésticos. Em 2011 tinha sido tomada uma medida semelhante
Governo restringiu a saída de emigrantes para 21 países, sobretudo aqueles que pretendem arranjar um emprego como trabalhadores domésticos. Em 2011 tinha sido tomada uma medida semelhante as más condições de trabalho e os frequentes abusos laborais levaram as autoridades da Indonésia a restringir a migração para 21 países do Médio Oriente. a medidaafetasobretudo quem quer arranjar trabalho com famílias ou particulares e foi tomada devido à falta de normas reguladoras nesses países, que colocam em desvantagem os trabalhadores indonésios, explicou o ministro do Trabalho,HanifDhakiri.com esta decisão, as agências que tratam da saída dos emigrantes para o exterior deixam de poder contratar trabalhadores domésticos por um período transitório de três meses. Os primeiros países a seremafetadosserão a arábia Saudita, Bahrein,Emiratos Árabes Unidos, Egito e Catar. Uma iniciativa semelhante, de 2011, tinha travado a onda de abusos, mas muitas questões ficaram por resolver, como a impossibilidade dos emigrantes voltarem a casa no fim do contrato, por os empregadores não lhes devolverem os documentos ou por terem salários muito baixos (cerca de 180 euros por mês). Neste momento, estima-se que existam perto de dois milhões de indonésios emigrados, que enviam para o seu país uma média de 6,2 mil milhões de euros por ano. Em 2014, saíram 400 mil pessoas da Indonésia, um quarto das quais foi para o Médio Oriente.