Os Leigos Missionários da Consolata traçam caminhos para o futuro e elegem novo secretariado, em Fátima, onde se reuniram a 16 e 17 de Outubro.
Os Leigos Missionários da Consolata traçam caminhos para o futuro e elegem novo secretariado, em Fátima, onde se reuniram a 16 e 17 de Outubro. Dois dias de trabalho para as Leigos Missionários da Consolata (LMC) estabelecerem empenhos, mas sobretudo para tomar a decisão de apostar mais na missão ad gentes, explica ana Isabel Nunes (na foto à direita com Conceição Marçal e Cláudia Leal), membro do secretariado cessante. Vamos apostar mais no Zambujal, na Cruz Vermelha, sítios de fronteira. São bairros da periferia de Lisboa e Sintra, respectivamente.
Outra grande aposta dos LMC é nos adolescentes dos Jovens Missionários da Consolata (JMCa), que estão entregues aos Leigos. Não podendo recrutar os adolescentes nas escolas, como anteriormente, os Leigos decidiram ir onde estão os jovens. Onde eles estão, é que vamos fazer o grupo missionário. Se os jovens não vêm a nós, temos que ir onde eles estão, explicou ana Isabel Nunes.
a formação dos novos membros do LMC e o apoio aos Leigos que estão em missão no exterior do país são outras tantas tarefas que gastam tempo e energias.
Os LMC reafirmam a sua identidade. Trata-se de uma vocação missionária para toda a vida. Não é apenas voluntariado missionário. ana Isabel Nunes explica: as pessoas às vezes telefonam-nos e dizem: Como é que eu posso daqui a um ano ou dois anos estar em missão. Nós somos um grupo de vocação para toda a vida. Para um ano ou para dois não é aqui.
Dificuldades de percurso não faltam. a primeira tem a ver com a necessidade de construir um caminho: Somos os primeiros. Tudo é pensado pela primeira vez. Outra dificuldade é conciliar as actividades missionária com a vida familiar: De repente nós estamos a constituir família e a ter filhos pequeninos e a ter que estar com eles, e se eles estão doentes nós não vamos a uma reunião, a uma vigília missionária.
Os leigos têm muito a dar. até aqui quase que só recebemos. Mas temos muito a dar em termos de parceria, em termos vocacionais, padres, irmãos e irmãs da Consolata, acrescenta ana Isabel Nunes.
Fazem partem do novo secretariado, na zona norte: Teresa Silva e Paulo Rocha; na zona sul: ana Paula Fernandes e Mário Linhares.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *