Os combates entre os elementos do grupo extremista Estado Islâmico e as forças da coligação internacional, liderada pelos Estados Unidos da américa, estão ao rubro. as tropas estrangeiras admitem vir a perder o controlo da cidade de Kobane
Os combates entre os elementos do grupo extremista Estado Islâmico e as forças da coligação internacional, liderada pelos Estados Unidos da américa, estão ao rubro. as tropas estrangeiras admitem vir a perder o controlo da cidade de Kobane O aumento do número de ataques aéreos contra alvos do Estado Islâmico na Síria e no Iraque não está a surtir o efeito esperado pelas forças da coligação internacional liderada pelos Estados Unidos da américa (EUa). Os extremistas têm conseguido reforçar posições e no seio da coligação tudo está preparado para o pior cenário. Temos que nos preparar para a eventualidade da queda de Kobane. assim como temos que nos preparar para a possibilidade de outras cidades e vilas caírem nas mãos do grupo. Pode acontecer que fiquem lá por muito tempo, admitiu o contra-almirante John Kirby, porta-voz do Pentágono, citado pelas agências internacionais. as situações em Kobane e na província de anbar, no Iraque, são as que mais preocupam as forças da coligação neste momento. Esta semana o presidente norte-americano, Barack Obama, e vários líderes europeus acordaram na necessidade de aumentar os esforços na luta contra os extremistas.