O Conselho de Segurança das Nações Unidas pede um «cessar-fogo humanitário imediato e incondicional» na Faixa de Gaza. Conflito já provocou a morte a mais de mil palestinianos, a maioria civis
O Conselho de Segurança das Nações Unidas pede um «cessar-fogo humanitário imediato e incondicional» na Faixa de Gaza. Conflito já provocou a morte a mais de mil palestinianos, a maioria civis Depois de Israel e o movimento palestiniano Hamas terem prometido um cessar-fogo no fim de semana, que foi desrespeitado pelas duas partes, o Conselho de Segurança da ONU pediu na madrugada desta segunda-feira, 28 de julho, que seja iniciado um cessar-fogo humanitário imediato e incondicional na Faixa de Gaza. Mas a tomada de posição foi considerada insuficiente pelo representante palestiniano na ONU, Riyad Mansour. Eles deveriam ter adotado uma resolução há mais tempo, condenando esta agressão e pedindo que a ofensiva pare imediatamente, disse o responsável, reclamando uma resolução formal que exigisse a retirada das forças israelitas de Gaza. No domingo, o Presidente dos Estados Unidos da américa, Barack Obama, telefonou ao primeiro-ministro israelita, Benjamin Netanyahu, pedindo-lhe que parasse com a ofensiva terrestre. Foi ainda proposta uma solução de longo prazo que assegurasse o desarmamento de grupos terroristas e a desmilitarização de Gaza.