a Organização Mundial de Saúde procura uma estratégia global contra a crise de obesidade infantil. Por isso, a agência da ONU está a promover a primeira reunião da Comissão para o Fim da Obesidade Infantil. O problema afeta 44 milhões de crianças
a Organização Mundial de Saúde procura uma estratégia global contra a crise de obesidade infantil. Por isso, a agência da ONU está a promover a primeira reunião da Comissão para o Fim da Obesidade Infantil. O problema afeta 44 milhões de crianças a primeira reunião da Comissão para o Fim da Obesidade Infantil, um grupo de alto nível criado pela Organização Mundial da Saúde (OMS), inicia esta quinta-feira, 17 de julho, e prolonga-se até amanhã. O objetivo do encontro passa por criar uma estratégia global de combate ao problema, que atinge 44 milhões de crianças entre os 0 e os 5 anos de idade. Em 1990, eram 31 milhões, e a tendência é que o aumento se continue a verificar.

a OMS prevê que em 2025, o mundo poderá ter 70 milhões de menores obesos ou acima do peso. Tal problemática será causada pela alimentação inadequada e baixa atividade física, conforme explicou João Breda, gestor de Nutrição e Obesidade da OMS na Europa, em declarações à Rádio ONU. Segundo este responsável, a crianças estão a consumir mais calorias e a gastar menos.

Temos um problema de excesso de calorias, de energia, proveniente dos alimentos, principalmente de açúcar e gorduras. E ao mesmo tempo, baixo nível de atividade física, sobretudo por causa de algumas atividades sedentárias, como ver muita televisão, jogos de computador ou consola e outras atividades que por natureza são relativamente sedentárias. Energia a mais e gasto a menos. Este é o grande problema, alertou João Breda, a partir de Copenhaga, Dinamarca.

De acordo com João Breda, o ideal é que as crianças façam alguma atividade física pelo menos uma hora todos os dias. Entre as consequências da obesidade em crianças, estão doenças cardiovasculares, resistência à insulina, problemas nas articulações, ossos e músculos, deficiência e cancro. a Comissão para o Fim da Obesidade Infantil também vai abordar o papel da indústria de alimentos para crianças e quais as melhores políticas públicas para reverter a crise.