países da região dos Grandes Lagos deram um prazo de seis meses aos soldados das Forças Democráticas para a Libertação do Ruanda para entregarem as armas voluntariamente
países da região dos Grandes Lagos deram um prazo de seis meses aos soldados das Forças Democráticas para a Libertação do Ruanda para entregarem as armas voluntariamenteOs ministros dos países membros da Conferência Internacional da Região dos Grandes Lagos e da Comunidade para o Desenvolvimento da África austral estabeleceram um prazo de seis meses para a conclusão do processo de desarmamento voluntário dos rebeldes hutus ruandeses das Forças Democráticas para a Libertação do Ruanda (FDLR). O acordo foi obtido esta semana, numa reunião realizada em Luanda, angola. a rebelião hutu ruandesa está presente na zona este do Congo desde o fim do genocídio de 1994 e terá atualmente entre 1. 500 a 2. 000 combatentes. Segundo dados da ONU, na última década cerca de 11 mil homens aceitaram depor as armas. Em dezembro passado, os líderes do grupo disseram-se dispostos a aceitar o desarmamento e, desde então, pelo menos 200 combatentes e 400 familiares apresentaram-se voluntariamente nos centros de recolha de armas. Mas há especialistas das Nações Unidas que suspeitam que as FDLR continuam a recrutar combatentes.