Os ataques do ex-grupo rebelde Seleka contra a população, após a ofensiva das milícias cristãs em Bangui, na República Centro-africana, provocaram quase um milhar de mortos, denunciou a amnistia Internacional
Os ataques do ex-grupo rebelde Seleka contra a população, após a ofensiva das milícias cristãs em Bangui, na República Centro-africana, provocaram quase um milhar de mortos, denunciou a amnistia Internacional Uma ofensiva em larga escala, lançada por integrantes do extinto movimento rebelde Seleka, deixaram quase mil mortos na capital da República Centro-africana. Os soldados retaliaram contra os cristãos, matando quase mil em dois dias, e praticando a pilhagem sistemática das casas de civis, informou, em comunicado, a amnistia Internacional (aI). O massacre, agora denunciado, ocorreu a 5 de dezembro, depois das milícias camponesas cristãs infiltradas nos bairros da capital terem assassinado cerca de 60 muçulmanos, numa operação porta a porta. as nossas investigações no terreno não deixam margem para dúvidas. ambas as partes em conflito cometeram crimes de guerra e contra a humanidade, afirmou Christian Mukosa, da aI. a República Centro-africana está em conflito desde que a coligação rebelde Seleka, maioritariamente muçulmana, derrubou o presidente François Bozizé, em março último. O governo de transição perdeu o controle do país e grupos rivais, cristãos e muçulmanos, iniciaram uma série de confrontos extremamente violentos.