Uma nova vaga de deslocados provenientes da região do Darfur, no oeste do Sudão, está a abalar a capacidade do Programa Mundial de alimentos das Nações Unidas para fornecer alimentos às famílias mais vulneráveis
Uma nova vaga de deslocados provenientes da região do Darfur, no oeste do Sudão, está a abalar a capacidade do Programa Mundial de alimentos das Nações Unidas para fornecer alimentos às famílias mais vulneráveis a chegada constante de mais deslocados à região oeste do Sudão, desde o início do ano, está a complicar o trabalho do Programa Mundial de alimentos (PaM) das Nações Unidas e a colocar em risco a segurança alimentar das famílias mais pobres. Para dificultar ainda mais a situação, nos últimos meses tem-se intensificado a violência intertribal, devido à disputa pelos terrenos agrícolas e recursos naturais. Estamos profundamente preocupados com o desenvolvimento dos acontecimentos, que ameaçam a frágil situação alimentar desta região, declarou o diretor da PaM no Sudão, adnan Jan, sublinhando que esta é a época em que as pessoas deviam estar plantando e trabalhando nas suas fazendas mas, em vez disso, estão a fugir das suas aldeias. a maioria das ações do PaM no Sudão tem lugar na região do Darfur. No início de 2013, a agência da ONU previa fornecer ajuda alimentar a 2,7 milhões de pessoas. No entanto, com as últimas ondas de deslocados, a organização humanitária estima que o número de pessoas a precisar de assistência alimentar ultrapasse os 2,9 milhões. Este conflito dura há uma década e a intensificação a que temos assistido na primeira metade do ano, não só criou grandes necessidades, como prejudicou a nossa capacidade para chegar a todos os que necessitam de ajuda. Se isto continua, pode muito bem arruinar os nossos planos para assegurar o apoio às comunidades, alertou adnan Jan.