a diretora do Fundo das Nações Unidas para a Infância defende que as medidas de austeridade deviam ter em conta o impacto nos mais novos, sobretudo pelos efeitos do desemprego nas famílias
a diretora do Fundo das Nações Unidas para a Infância defende que as medidas de austeridade deviam ter em conta o impacto nos mais novos, sobretudo pelos efeitos do desemprego nas famílias a UNICEF está naturalmente preocupada com a situação que as crianças portuguesas estão a viver porque [com] o desemprego, a capacidade económica das famílias tem vindo a ser muito afetada, afirmou esta terça-feira, 23 de julho, a diretora em Portugal do Fundo das Nações Unidas para a Infância. Em declarações à agência Lusa, Madalena Marçal Grilo alertou para a necessidade das medidas de austeridade terem em conta os efeitos na vida dos mais novos. Segundo a responsável, há muitas famílias em que ambos os cônjuges estão desempregados, o que tem um efeito negativo na disponibilidade que os pais têm para as suas crianças. Neste sentido, a UNICEF advoga como fundamental uma análise prévia e cuidada às medidas de austeridade, pelas consequências que podem ter na vida dos menores, a médio e a longo prazo. apesar das dificuldades económicas que o país enfrenta, os portugueses continuam a ajudar a UNICEF. São generosos e contribuem. O que acontece é que estão a atravessar uma fase difícil e é natural que as contribuições tenham vindo a diminuir. No entanto, há doadores a continuar a ajudar, não só esta organização internacional, mas também outras causas, pois há muitos anos que o fazem e querem continuar a fazê-lo, referiu Madalena Marçal Grilo.