Um dia, alguém perguntou ao rabi que vivia junto da sinagoga: aonde podemos encontrar o Messias? Ele respondeu: às portas da cidade, com os leprosos. Retorquiram-lhe: E o que é que ele está lá a fazer? Respondeu: Está a envolvê-los com ligaduras
Um dia, alguém perguntou ao rabi que vivia junto da sinagoga: aonde podemos encontrar o Messias? Ele respondeu: às portas da cidade, com os leprosos. Retorquiram-lhe: E o que é que ele está lá a fazer? Respondeu: Está a envolvê-los com ligadurasDe facto, esta ideia que o Messias se aproxima da humanidade e das suas misérias era uma crença enraizada nalguns sectores do Judaísmo. a seu tempo, os missionários fizeram-se porta-voz deste ideal eminentemente cristão’ de envolver os feridos e necessitados com ligaduras’. Mas não foram somente os males físicos, foram também outras doenças igualmente incuráveis e contagiosas: a doença do tribalismo, de alguns costumes bárbaros, da rigidez quanto ao próximo, entre outras. Também aí o missionário faz de ponte entre vários beligerantes, cura as feridas da discórdia, caustica o cancro do tribalismo e das lutas fratricidas. No fim de contas é imitar o próprio Cristo, que veio até nós para nos restabelecer na nossa humanidade decaída e nos tornar sãos de corpo e alma. É aí, aonde menos se espera, que a graça de Deus vem ao encontro da pessoa, de toda a pessoa e da pessoa toda. Conscientes de que para tocar o espírito é preciso cuidar do corpo, não pouparam esforços para reconhecer em cada um a sua dignidade e restaurá-la aos olhos do mundo, já que aos olhos de Deus ela nunca desapareceu. aproximar-se do outro enquanto tal e ajudá-lo a descobrir o amor de Deus é uma grande missão que exige uma fé sólida, mas também muita paciência, tolerância e sobretudo uma consciência de que, no que respeita à nossa salvação, estamos todos no mesmo barco. O ditado popular diz que entre mortos e feridos alguém há de escapar; o missionário diz que, apesar de feridos, todos temos de ir até ao céu, não pelos nossos méritos, mas pela graça de Deus que, como sabemos, é infinita.